Vila Franca do Campo
Brasão de Vila Franca do Campo Bandeira de Vila Franca do Campo
Brasão Bandeira
Localização de {{{Município}}}
Localização
Gentílico:
Vila-franquense
Área:
78,00 km²
Pop. Residente:
11 150 hab. (2001)
Densid. Populacional:
hab./km²
Eleitores Inscritos:
{{{eleitores}}} hab. (2001)
Número de Freguesias:
6
Fundação / Povoamento:
1472 / {{{povoamento}}}
Grupo:
{{{grupo}}}
Sub-grupo:
{{{sub-grupo}}}
Nome da Ilha:
Ilha de São Miguel
Ex-distrito:
Ponta Delgada
Orago:
S.Miguel
Feriado Municipal:
24 de Junho
Código Postal:
9680 Vila Franca do Campo
Endereço:
Sede Municipal:
Largo do Município
Web Site:
www.cmvfc.pt
E-mail:
Correio Eletrónico
geral@cmvfc.pt
Municípios dos Açores

Vila Franca do Campo é uma vila portuguesa na ilha de São Miguel, Região Autónoma dos Açores, sede de um município com 78,00 km² de área e 11 150 habitantes (2001), subdividido em 6 freguesias. O município é limitado a norte pelo município da Ribeira Grande, a leste pela Povoação, a oeste por Lagoa e a sul tem litoral no oceano Atlântico.

Frente a Vila Franca do Campo, a cerca de 1200 m do porto do Tagarete, localiza-se o Ilhéu de Vila Franca, um cone de tufos palagoníticos fortemente litificados, que contém no seu interior uma caldeira inundada de forma quase perfeitamente circular. O Ilhéu de Vila Franca é desde 1993 uma reserva natural, constituindo ainda um importante local de veraneio.

As freguesias de Vila Franca do Campo são as seguintes:

História[editar | editar código-fonte]

Vila Franca do campo foi durante o primeiro século de povoamento a mais importante povoação da ilha de São Miguel, nela se fixando o capitão do donatário e as principais instituições da ilha (alfândega, ouvidoria), pelo que merece o epíteto de primeira capital micaelense.

Ficheiro:Vila Franca do CampoB.JPG

Vila Franca do Campo

Aquela situação terminou quando na noite de 21 para 22 de Outubro de 1522, um violento sismo provocou um grande escorregamento de terras nas encostas sobranceiras à vila, causando um lahar que soterrou a maior parte do povoado. O efeito combinado do sismo e do soterramento provocou a morte a alguns milhares de pessoas. O sismo, hoje conhecido por subversão de Vila Franca, causou ainda mortes em muitas outras povoações de São Miguel e também grandes escorregamentos de terras na Maia e região circunvizinha e em Ponta Garça. A tragédia de Vila Franca inspirou muitos escritos e pelo menos um romance de raiz oral intitulado Romance que se fez d'algumas mágoas, e perdas que causou o tremor de Vila Franca do Campo, editado por Teófilo Braga.

Apesar da destruição, Vila Franca manteve até ao século XVIII, quando a Ribeira Grande a suplantou em importância, o papel de segunda povoação da ilha (depois de Ponta Delgada, nela se desenrolando alguns dos mais importantes eventos das lutas contra entre os partidários de D. António, Prior do Crato e de Castela, que culminaram na batalha naval de Vila Franca, travada ao longo do litoral sul da ilha de São Miguel a 26 de Julho de 1582. Após a batalha, o marquês de Santa Cruz de Mudela, D. Álvaro de Bazán, desembarcou na vila, nela estabelecendo o seu quartel general e ali fazendo supliciar cerca de 800 prisioneiros franceses e portugueses, no maior massacre jamais ocorrido nos Açores.
Em Julho de 1562 nasceu nesta povoação Bento de Goes (ou Bento de Góis) que empreendeu na Ásia Central, entre 1602 e 1606, a maior viagem de exploração terrestre portuguesa e uma das maiores de sempre da história da humanidade.

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.