Enciclopédia Açores XXI
Editar página

Aviso: Não iniciou sessão. O seu endereço IP será registado no histórico de edições desta página. Se iniciar sessão ou criar uma conta, as suas edições serão registadas com o seu nome de utilizador(a), em conjunto com outros benefícios.

É possível desfazer a edição. Verifique a comparação abaixo, por favor, para se certificar de que corresponde ao que pretende fazer. Depois grave as alterações, para finalizar e desfazer a edição.

Revisão atual O seu texto
Linha 1: Linha 1:
'''Santa Cruz (Lagoa)''' ou '''Santa Cruz da Lagoa''', é uma freguesia açoriana do município da [[Lagoa (município)|Lagoa]], [[Ilha de São Miguel]]. Possuí uma superfície total de 14,26 km2 e 3 501 habitantes (Censos 2001), o que corresponde a uma densidade populacional de 245,5 hab./km2.
+
'''Santa Cruz (Lagoa)''' é uma freguesia açoriana do município da [[Lagoa (município)|Lagoa]], [[Ilha de São Miguel]]. Possuí uma superfície total de 14,26 km2 e 3 501 habitantes (Censos 2001), o que corresponde a uma densidade populacional de 245,5 hab./km2.
   
 
Igreja de Santa Cruz (Matriz), Museu da Lagoa.
Em 23 de Abril de [[1522]], foi elevado o lugar da Lagoa [ "Alagoa" ], à categoria de vila e sede de um município do mesmo nome, a sudeste da ilha.
 
 
'''Igreja de Santa Cruz''' (Matriz), '''Museu da Lagoa'''.
 
 
O '''Forte de Santa Cruz da Lagoa''', já desaparecido, foi erguido para proteção da vila da Lagoa e o porto dos Carneiros, dos frequentes ataques de corsários e piratas.
 
 
A '''Bateria de N. Sra. da Conceição de Caloura''', também conhecida como Forte de N. Sra. da Conceição, localiza-se na povoação de Caloura, Município da Lagoa. Foi construido com a dupla função de proteção do porto pesqueiro e do Convento de N. Sra. da Conceição de Caloura, ao sul da ilha, pelo filho de Manuel de Sousa Correia, Capitão-mor da Ribeira Grande, que entrou para a Recolecta em 8 de Junho de [[1751]], ocasião em que tomou o nome de Manuel do Sacramento, assumindo o comando do forte. (Sara Nóia. "Foi na Caloura que tudo começou", Açorianíssima, Junho de 2000, pág. 13-4) Tratava-se de um simples parapeito onde se abriam três canhoneiras. Não há informações sobre a sua artilharia nem sobre o seu paiol, provavelmente no próprio convento. Por ser uma estrutura aberta, não pode ser classificada técnicamente como um forte.
 

Observe que todas as contribuições para o Enciclopédia Açores XXI são consideradas como lançadas sob CC-BY-SA

Cancelar Ajuda de edição (abre numa janela nova)